O Brasil existe em um estado de desigualdade de água. O Norte escassamente povoado é rico em água, mas as grandes cidades do sul – como São Paulo – enfrentam uma crise hídrica.

Como as abordagens tradicionais não funcionam, a região está pronta para a mudança, pois se esforça para cumprir as metas de sustentabilidade

Atualmente, em toda a região, a América Latina está enfrentando problemas de água e saneamento. Embora a região seja altamente urbanizada, metade dos residentes da América Latina ainda não está conectada a um sistema de esgoto. Quase um quarto não tem acesso à água encanada de um sistema de água aceitável. E embora aproximadamente 26% das pessoas na América Latina possuam algum tipo de saneamento, como fossas sépticas ou latrinas, as plantas de tratamento de efluentes atendem apenas cerca de 15% do efluente produzido e, mesmo assim, a qualidade do tratamento, muitas vezes, é lamentavelmente inadequada.

Mas as forças inovadoras estão trabalhando duro para cumprir o Objetivo 6 de Desenvolvimento Sustentável (ODS 6) das Nações Unidas 2030 antes do prazo. Pablo José Bereciartua, engenheiro, acadêmico e ex-secretário argentino de infraestrutura e política da água, discutiu recentemente como as bases de novas tecnologias e novos modelos de negócios podem alterar as abordagens tradicionais na busca para cumprir o ODS 6.

Perguntas persuasivas podem ser feitas sobre o abastecimento de água e saneamento. Como podem ser usadas novas tecnologias, como big data e algoritmos ou energia renovável, para melhorar a eficiência? Como novos paradigmas como a economia circular ou a água digital podem ser implementados? E como novos modelos de negócios podem ser projetados para enfrentar esses desafios com novas abordagens e, ao mesmo tempo, atrair investimentos públicos e privados?

Desafios em Toda a Região

Os desafios e modelos de negócios para a gestão da água são diferentes para cada nação latino-americana. A revista Source da Associação Internacional da Água apresentou recentemente um resumo do progresso nas questões da água:

  • Na Argentina, existem 24 jurisdições independentes de água e saneamento. Sem um órgão federal para ordenar um curso comum, o progresso na unificação de decisões políticas para o cumprimento dos ODS tem sido lento. Em Buenos Aires, no entanto, as taxas de serviço foram aumentadas para aumentar a instalação de novos medidores de 1.000 por ano para mais de 150.000 por ano, e USD 500 milhões foram arrecadados para expandir a cobertura para áreas não atendidas da cidade e seus arredores. comunidades vizinhas.
  • O Brasil existe em um estado de desigualdade de água. O Norte escassamente povoado é rico em água, mas as grandes cidades do sul – como São Paulo – enfrentam uma crise hídrica. Um aspecto da desigualdade de água no Brasil é que as áreas densamente povoadas têm quase 90% de cobertura de tratamento de efluentes, em comparação com apenas 20% no Norte. Estão sendo realizadas discussões no Congresso sobre a universalização dos serviços de saneamento, e a agência ADASA, do Distrito Federal, está explorando mecanismos inovadores de governança regulatória e compartilhando experiências e tecnologias com outros países da América Latina e do Caribe. A Sabesp, vem demonstrando um modelo de negócios rentável, atendendo 20 milhões de residentes e investindo nas bolsas de valores brasileiras e de Nova York.
  • Na Colômbia, as “Empresas Públicas de Medellín” têm sido um modelo de negócios rentável, de propriedade pública, voltado para o serviço universal, incluindo os carentes.
  • No Chile, uma história de sucesso é uma concessão privada em Santiago que alcançou cobertura universal com excelentes padrões operacionais e ambientais.
  • No Peru, a água potável e o saneamento não são equilibrados entre as regiões urbana, e rural. A governança da água para as 7 milhões de pessoas também está fragmentada entre 50 empresas de serviços públicos nas cidades e quase 25.000 conselhos administrativos em campo, mas o órgão regulador do SUNASS está trabalhando para agrupar os provedores para aproveitar economias de escala que não são disponíveis para pequenos provedores solitários. Em algumas regiões, o plano está funcionando, com taxas de saneamento e proteção do ecossistema embutidas no preço da água, permitindo um ambiente limpo e uma vida mais saudável.
  • No México, o grande problema é a sustentabilidade financeira do setor de água, após a imposição do aumento de 60% na taxa de energia, mas o país está trabalhando com base em um mecanismo legal, uma Lei Geral da Água, para regular o setor rumo ao cumprimento do ODS 6 das Nações Unidas.

Inovações Tecnológicas de Água e Saneamento

Embora novos modelos de negócios estejam surgindo na América Latina, novos paradigmas e tecnologias não são tão rápidos em criar raízes. Mas o Banco Mundial procurou promover o paradigma inovador da economia circular na região com sua iniciativa “Efluentes: de resíduos à recursos” para passar do tratamento de efluentes à recuperação de recursos. E este ano foram iniciados mais de 30 projetos de dessalinização, com mais de USD 25 bilhões em um investimento planejado de dessalinização na América Latina.

Entre em contato com a Fluence para obter mais informações sobre a mais recente tecnologia em efluentes e dessalinização – compactada e financiada para qualquer terreno latino-americano – como parte de nosso compromisso contínuo com os ODS das Nações Unidas.

MANTENHA-SE CONECTADO

Registre-se para conhecer as últimas notícias, tendências e inovações em tratamento de água, efluentes e reúso.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.