Em todas as cidades estudadas, algumas medidas foram correlacionadas com o maior uso da água, incluindo maior cobertura de plantas em lotes maiores, pertencentes a residências mais novas com maior valor de avaliação.

Devido a fatores como o tamanho do lote influenciam o uso da água, os planejadores das cidades podem codificar a sustentabilidade em novos desenvolvimentos

Um novo estudo liderado pela Universidade do Arizona demonstra que o ambiente construído influencia bastante o uso da água em residências de uma determinada comunidade. Os principais fatores de uso da água incluíram vegetação, densidade habitacional e tamanho do lote. O autor principal, Philip Stoker, da Faculdade de Arquitetura, Planejamento e Arquitetura da Paisagem da UA, e a equipe de pesquisa confiam que os organismos municipais de planejamento e gerenciamento de água podem usar seus dados para projetar estratégias para o uso sustentável da água. O estudo foi publicado no Journal of the American Planning Association.

Stoker explicou o “ambiente construído” como:

[A] maneira pela qual as cidades tomam forma: quais são os materiais feitos, qual é a cobertura do solo, a disposição dos edifícios e que tipo de edifícios eles são.

As cidades do estudo foram escolhidas com um ambiente construído que está entre os critérios. Primeiro, suas principais áreas residenciais eram compostas principalmente por moradias unifamiliares. Estas últimas também foram responsáveis por grande parte do uso municipal total de água. Eles também foram escolhidos pelo conhecimento que poderiam oferecer sobre as mudanças climáticas e os rápidos impactos do crescimento da população urbana no uso da água nas residências: os pesquisadores alertaram para os perigos de negligenciar o planejamento futuro, especialmente quando as populações explodem nas cidades ocidentais secas.

Uso da Água e Métricas Ambientais

Em cada cidade, os pesquisadores descobriram que o ambiente construído influenciou o uso da água urbana em maior extensão do que se pensava anteriormente. Os pesquisadores analisaram o que influenciou o uso da água em moradias unifamiliares em termos de cinco métricas:

  • Densidade da moradia
  • Avaliação fiscal
  • Tamanho do lote
  • Cobertura vegetal
  • Idade da moradia

Por exemplo, a equipe representou uma diferença de 85% no uso da água entre os bairros de Austin usando apenas essas cinco métricas de ambiente construído. Em todas as cidades estudadas, algumas medidas foram correlacionadas com o maior uso da água, incluindo maior cobertura de plantas em lotes maiores, pertencentes a residências mais novas com maior valor de avaliação.

As áreas com vegetação estão correlacionadas com o maior uso da água, muito mais marcado do que qualquer outra métrica ambiental construída em áreas metropolitanas mais secas, com a correlação mais drástica observada em Salt Lake City. Cada aumento de 1% na cobertura média das plantas foi correlacionado com um aumento de 0,48% na demanda anual de água e um aumento de 0,7% no uso no verão. Ao observar medidas preditivas de eficiência da água, todas as cidades, exceto Salt Lake, mostraram uma correlação entre o aumento da densidade de moradias e o menor uso da água.

Descobertas Inesperadas

A equipe esperava um tamanho de lote maior para prever maior uso de água. Em Austin e Portland, a expectativa foi confirmada, mas não nas outras cidades. Phoenix, de fato, mostrou o contrário, com lotes maiores correlacionados com menos uso de água.

A equipe chegou com a expectativa de que moradias mais novas com aparelhos mais eficientes se correlacionassem com menos uso de água, mas o oposto provou ser o caso em Austin, Portland e Salt Lake City, onde a cada aumento de 1% na idade das moradias teve uma diminuição estimada de 0,31% no uso anual de água e uma diminuição estimada de 0,33% no uso no verão.

Planejamento de Cidades Eficientes no Consumo de Água

Stoker está confiante de que os organismos municipais de planejamento e os gerentes de água poderão usar as descobertas da equipe para alterar os códigos de construção e desenvolver normas de zoneamento para aumentar a eficiência da água. Os recursos hídricos de uma cidade podem ser maximizados incentivando lotes menores para moradias unifamiliares e promovendo paisagismo ou jardinagem desértica mais vantajosos. Além disso, o efeito de resfriamento dos espaços verdes nas temperaturas urbanas teria que ser equilibrado com a economia de água da cobertura vegetal reduzida.

Entre em contato com a Fluence, líder em, tratamento descentralizado sustentável e reúso de água, para aproveitar ao máximo cada gota dos recursos hídricos da sua cidade.

MANTENHA-SE CONECTADO

Registre-se para conhecer as últimas notícias, tendências e inovações em tratamento de água, efluentes e reúso.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.